dd/mm/aaaa



Chico Buarque

Foto por Leo Aversa

Chico Buarque desembarca em Salvador com a turnê “Caravanas”, de 17 a 20 de maio, no Teatro Castro Alves. O show já foi visto por 50 mil pessoas em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro e chega a São Paulo para temporada entre março e abril. Depois, parte para Recife, no início de maio, até chegar à capital baiana. As vendas começam no dia 23 de fevereiro.

A turnê é inspirada no álbum homônimo lançado pela Biscoito Fino. A Icatu Seguros, que já havia patrocinado o último espetáculo do artista, assina a apresentação nestas cinco primeiras cidades. Em Salvador, o show é uma realização da Multi Entretenimento.

Os elogios à estreia de “Caravanas” foram unânimes. A imprensa aclamou o espetáculo: “É uma resposta a todo estado de grita surda que configura o país e o mundo hoje (...) o compositor responde ao mundo torto reafirmando um mundo maior”. A sofisticada costura do roteiro também foi enaltecida pela crítica: “O script é meticulosamente arquitetado pelo autor, como se fossem capítulos de um romance. Por meio dos versos ou da sonoridade, tudo está conectado”, “tudo faz sentido no roteiro do show dentro da intenção de abrir alas para o povo e o artista do Brasil”.

O álbum “Caravanas” está presente na íntegra e não apenas inspira o show, mas dá o norte de todo o repertório. As demais canções escolhidas dialogam com as mais recentes, seja por afinidades musicais ou temáticas. Através delas, Chico revisita sua própria história e reafirma, mesmo que não intencionalmente, a atemporalidade de sua criação. O show traz ainda 19 canções de diferentes décadas, do início dos anos 1960 até hoje. A obra de Chico se confunde com a própria história contemporânea do Brasil. Cronista apurado de seu tempo, ele traçou, em mais de 50 anos de carreira, um painel preciso do país, com seus contrastes, belezas e paixões inflamadas.

A abertura de “Caravanas” é com a única canção não autoral do roteiro, “Minha embaixada chegou”, de Assis Valente. Os versos “minha embaixada chegou, deixa meu povo passar, meu povo pede licença, pra na batucada desacatar” desembocam no clássico buarquiano “Mambembe”, uma ode aos artistas, malandros, moleques, mendigos, a essa gente cigana que segue cantando. É a caravana de Chico pedindo passagem!

Com duração de aproximadamente 1h30, o roteiro inclui duas parcerias de Chico com Tom Jobim, “Retrato em branco e preto” e “Sabiá”, que nunca estiveram presentes em seus espetáculos oficiais. O repertório traz ainda clássicos que há muito não eram apresentados ao vivo, como “Gota d’água”, “Partido alto”, “Estação derradeira” e “Iolanda”.

O eu lírico feminino está presente em “Palavra de mulher”, “A história de Lily Braun”, que se irmanam com canções da lavra mais romântica de Chico, como “Todo sentimento”, “As vitrines” e “Futuros amantes”. O show resgata também lados B da lavra do poeta, como “Outros sonhos”, “Injuriado” e “A bela e a fera”, que ressurgem com novos sentidos.

O célebre malandro cantado por Chico volta à cena mais atual do que nunca, como atestam os versos de “Homenagem ao malandro”: “agora já não é normal, o que dá de malandro regular, profissional, malandro com aparato de malandro oficial, malandro candidato a malandro federal, malandro com retrato na coluna social, malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal”.

O espetáculo é dedicado a Wilson das Neves, que faleceu no ano passado. Para relembrar uma canção composta com o parceiro e tradicional baterista de várias turnês, Chico interpreta “Grande Hotel”. Os músicos que acompanham o cantor são seus fiéis companheiros de palco: o maestro, arranjador e violonista Luiz Claudio Ramos, João Rebouças (piano), Bia Paes Leme (teclados e vocais), Chico Batera (percussão), Jorge Helder (contrabaixo), Marcelo Bernardes (flauta e sopros) e Jurim Moreira (bateria), substituindo Wilson das Neves.

A equipe que atua nos bastidores é composta por Vinícius França (produção geral), Maneco Quinderé (iluminação), Marcelo Pies (figurinos) e Ricardo Tenente Clementino (direção técnica). A cenografia leva novamente a assinatura de Helio Eichbauer, que esteve nas duas últimas turnês e para a atual concebeu uma escultura suspensa, descrita por ele como “uma esfera armilar que flutua no espaço azul como algum sistema planetário”. Além disso, oito cordas coloridas desenham no horizonte sequências e ondas marítimas e sonoras, alternando as linhas sinuosas de cristas e vales. “O cenário de Eichbauer e a luz de Maneco Quinderé são fundamentais na construção da embaixada de Chico”, saudou a crítica.

 

SERVIÇO

Chico Buarque – Caravanas

Quando:

17 de maio (quinta-feira), 21h

18 de maio (sexta-feira), 21h

19 de maio (sábado), 21h

20 de maio (domingo), 20h

Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves

Quanto: 

R$ 490 (inteira) e R$ 245 (meia), das filas A a P

R$ 380 (inteira) e R$ 190 (meia), das filas Q a Z

R$ 320 (inteira) e R$ 160 (meia), das filas Z1 a Z11

Os ingressos poderão ser parcelados em duas vezes no cartão

Classificação: Livre

 

VENDAS

Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Castro Alves, nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista ou pelos canais da Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br), a partir de 23 de fevereiro de 2018.

LIMITE DE 4 (QUATRO) INGRESSOS POR PESSOA

 

MEIA ENTRADA

A concessão da meia-entrada é assegurada em 40% do total dos ingressos disponíveis para o evento.

Estejam atentos! O Teatro Castro Alves cumpre a Lei Federal 12.933 de 29/12/2013, que determina que a comprovação do benefício de meia-entrada é obrigatória para aqueles que gozam deste direito. Estudantes devem apresentar a Carteira de Identificação Estudantil (CIE), não sendo aceitos outros documentos.

Data: 17/05/2018 a 20/05/2018

Teatro Castro Alves - Praça Dois de Julho,s/n, Campo Grande, CEP 40080-121 - Salvador - Bahia - Brasil Telefone: (71) 3003-0595